John Keats (1795-1821)


John Keats (1795-1821)clip_image002[1]
Um dos mais belos e famosos versos da poesia inglesa.
O primeiro de seu poema Endymion, iniciando a história de um jovem que se apaixona melancolicamente pela beleza impossível da lua:
 
A Thing of Beauty is a Joy Forever
(Algo de Belo é uma Jóia para Sempre)

6 comentários:

Anônimo disse...

'My Mind has been the most discontented and restless one that ever was put into a body too small for it." John Keats.

Luis Alfredo disse...

Querida Anônima,
Essa frase do Keats, que eu não conhecia, mexeu comigo e trouxe uma lembrança muito dolorosa. Em janeiro de 1991, ao chegar no Brasil após um ano em Bissau, meu amigo Roberto Thompson deu um tiro em sua cabeça. O bilhete de adeus dizia: "Meu corpo não tem mais lugar para meu espírito". E elea não conhecia nada de Keats.

Luis Alfredo disse...

Beatrice's Mind has been the most restless one that ever was put into a body not too small for it." by John Keats and Luis Alfredo

Júllio Machado disse...

"muito Viajei nos reinos de ouro, e muitos estados e reinos formosos encontrei."

Acho que essa frase, dele, tem algo a ver com os seus caminhos... (imagino eu)

(do livro Uma bela história do Mundo, de G. Blainey)
Abraços, meu caro!

Luis Alfredo disse...

Caríssimo poeta,

Você sempre e cada vez mais arguto em coisas do espírito.
E que pontaria.... essa frase do Keats! E vem acompanhada de uma dica de leitura, que é "Uma bela história do Mundo". Esse título também é muito especial, como o amigo.
E, por falar em beleza, que ela permaneça sempre enfeitando nossa amaizade.

Júllio Machado disse...

Meu caro , amigo Luis Alfredo,
Deixa eu fazer uma ratificação: "Uma breve História do Mundo", eis o título certo; caso se interesse a ler este interessante livro. Mas "bela" também cairia bem; porque apesar das amarguras a história tem sempre os seu quês de belezas e doçuras.
E aproveitando o espaço e o mote, já que o amigo admira ditos bem ditos, lá vai:
"Na história da humanidade quase nada pode ser predeterminado".

( Geoffrei Blainey)


Saudosos abraços!